Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009

...meio mundo a comer outro meio...

Olá Blogers,

bem se há assunto, tertúlia que me fascina é a "eterna luta entre o Bem e Mal". Além de existir esta tendência de colocar em 2 tons monocromáticos este paradigma é inegável que o termo "eterno" justifica por si só este ancestral combate. Está escrito, documentado, vivido e sentido, é um facto. Colocar Deus e Demónio separados por um tabuleiro de marionetas, nas quais todos fazemos parte, é a versão mais fecundada.

Qual a verdadeira razão desta necessidade? A lei de equilíbrio, de manter o yin & yang conjugados faz com que nos aliemos lado A ou lado B, independentemente de profecias, consciências ou ideologias.

Deixemo-nos de tretas, sendo uma questão de livre arbítrio vezes sem conta pesamos e dissecamos introspectivamente a nossa opção. Agora pergunto, ou melhor, alguém, uma entidade externa pode perguntar: qual o referencial? Qual a bitola? Qual a exacta medida que nos permite ajuizar se o que dizemos, fazemos ou pensamos, se enquadra no xadrez do bem, ou no do mal? Não duvido da presunção assumida, do dormir em alcofa branca e pura, descansar a consciência com o bem todo feito. Assim acordamos, felizes, na douta e consciente esperança de ter cumprido mais um mandamento.

Tenho conhecido gente fascinante, de vários quadrantes, idades, ideologias, extractos e até facções e em todas elas encontro esta necessidade de comunicar com uma entidade externa, algo sublime, incolor, etérea e de certa forma, pura no sentido de que à muito que a credibilidade pelo que as rodeia, se foi.

Algo que mais do que estar, deverá estar para ajuizar se as opções que tomamos, o diário de bordo do dia-a-dia foi bem preenchido. Neste sentido sinto que uma parcela do tempo dado, do tempo vivido é em função de algo que não existe, que não nos traz dor ou alegria, riqueza ou pobreza, emoção ou paixão, é algo que permitirá (e aqui abro um parêntesis pois um factor comum é a procura incessante...e algures estará, se estiver uma resposta) atingir um estado de equilíbrio, que de outra forma, da desistência assumida dos vivos, nunca mais se encontra. No fundo o que vejo é um desistir, não da vida, do espaço, da dimensão ou até da paz, mas da génese humana, de todo o conflito inerente, de toda a consciência mutilada entre a herança selvagem e a evolução refinada. É um desistir de vencer, contornar, lutar por convencer o congénere...sim parece-me e perdoem-me a presunção, que o diálogo de surdos vence quando a argumentação, verbal, gestual e até emocional se tornam demasiados complexos e acabam por nos trair.

Como na fábula do "espelho mágico" apenas responde ao que se pergunta. Não há desafio, não somos postos à prova, não merecemos, no fundo, o direito a ser humanos. Ao assumir o estatuto de eremitas de um oásis equidistante do nosso bem estar e com isso determinar se a nossa condição é "bem" ou "mal" estamos exactamente a divorciarmo-nos da condição social de comunidade, de lei, de juízo qualitativo e a impor regras ditadas por um determinado bem estar. Mas, qual o preço? Solidão. A não ser que a fusão a frio tenha ultrapassado a fase de teoria que a acompanha à 50 anos, no final nada resta. Isto é, apenas uma característica autista, sim porque nada é inventado, tenham paciência, o autismo caracteriza estas opções. A auto-reserva, o fechar-se, o avaliar e catalogar do mundo, das reacções e das acções pela bitola do nosso tão pessoal "oráculo de Delfos" faz de nós o que Nietzsche fez do seu Zaratustra. Um eremita.

Um ser que se isola, que não suporta o peso do mundo, da humanidade, de definição de imperfeição e com isso, revolta-se, e da sua fraqueza nasce uma estóica vontade de acabar com o adversário, que por conveniência, agora é o "Mal", praticando, segundo os salmos o próprio "Bem". No fundo também esta tendência têm título, Acusador, Juiz e Carrasco em causa própria.

Assim vamos vivendo e por muitas redomas que se construam, por muitas eleições sazonais entre as trevas e a luz, o escrutínio será sempre algo que o próprio tempo se nega a reconhecer...o inferno e o céu são aqui e agora. O resto é relativo, como dizia um entendido. Se pudéssemos quantificar, pesar o resultado das nossas acções,  palavras,  pensamentos e omissões, numa conta-corrente aí sim, saberíamos se o saldo, o crédito nos abre a porta branca ou negra. Mas, não sabendo e pior, nem sequer pensando nesse saldo vivo, vamos ajuizando egoisticamente, sim é um termo pejorativo mas, linguisticamente define um livre arbítrio, algo que eu decido, penso, faço ou omito e no final...qual passe de mágica quantifico e classifico...mau era se a pontuação não fosse positiva. estamos na era do egoísmo, do culto do "eu"...nada de mal com isso mas...mal é ter a presunção de assumir, ajuizar e decidir...da tirania da indiferença passamos à "opressão dos felizes por si só"...ainda não estamos prontos, não, ainda não.

Cogito ergo sum...

A verdadeira batalha reside no equilíbrio entre as diferenças, o bem e o mal são balizas elásticas, conveniências de época, doutrinas, políticas ou religiões. Entre a moral de rebanho ou uma minoria de bloqueio, prefiro a última...sempre sinto o sangue a aflorar, e as emoções a brotar, sempre me sinto vivo. E mais, posso sempre ser julgado por outros, por mim não tem piada.

 

Fiquem bem, de que forma for

Até uma próxima

 

 

 

Shibumi, com "h"

 

publicado por shibumi às 22:50
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De brisa a 27 de Fevereiro de 2009 às 16:44
o rapaz escreve muito.... mas nem o seu nome sabe assinar....


De shibumi a 27 de Fevereiro de 2009 às 23:42
Olá Brisa, folgo por saber que algo te mantem viva. Mesmo que não seja um comentário a meio ano de distância só para cuspir vinagre. Sim só quem me conhece bem sabe que caiu um "h". Que pode ir de herói a histérico, passando até por hermético ou hediondo. Enfim. o seu a seu dono. Fica bem que eu já lá estou há muito.
Bj, com gosto, não rima mas soa bem.

Shibumi com "h"


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Acabou a fase da Crisálid...

. ...meio mundo a comer out...

. Vias-Sacras

. Desbunda Total

. Oráculo de Delfos

. Julgamento

. Assim se acorda

. aqui deixo a minha homena...

. ...chegou o inverno, cheg...

. Um enterro digno a 2007

.arquivos

. Maio 2009

. Fevereiro 2009

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.favorito

. Desbunda Total

blogs SAPO

.subscrever feeds